Flavio Maluf, empresário destaca a importância de investir em pesquisa e inovação

Flavio Maluf, executivo de trajetória brilhante, presidente da Eucatex desde 1997, mantem-se focado no progresso da empresa, investindo na qualidade e inovação de produtos. Com essa postura, Flavio Maluf, além de garantir a satisfação dos clientes da Eucatex, com investimentos em qualidade; o empresário tende a suprir demandas que, no momento atual da economia, ainda estão ocultas na própria margem do mercado.

Como presidente de uma das maiores produtoras de pisos, portas, divisórias, painéis MDF e MDP, chapas de fibras de madeira, chapas T-HDF e tintas e vernizes do Brasil, o seu conhecimento de economia e do mercado em geral precisa ser muito amplo. Está sempre atento as novas pesquisas, análises, novos nichos, novos empreendimentos, novas tendências; atento, também, ao movimento do mercado de capitais. As suas recomendações e opiniões são veiculadas nos meios de comunicação no que se refere ao mundo dos negócios e investimentos.

No terceiro trimestre de 2016, o Flavio Maluf noticiou a mídia especializada que houve um aumento de oito pontos no Indicador de Intenção de Investimentos da FGV (Fundação Getulio Vargas); que é responsável por medir o nível da disseminação do ímpeto de investimentos no meio industrial.

Esse indicador tem a intensão de estimar quais são as principais tendências econômicas do mercado, sendo um dos mais precisos, segundo especialistas e pesquisadores.

O responsável pelas Estatísticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas, Aloisio Campelo Jr afirmou que, de forma alguma, não se pode eliminar uma certa margem de incerteza que se relaciona ao mercado industrial. De acordo com ele, o ritmo de crescimento será lento e gradual, mas, é certo, segundo as previsões, que nos próximos meses é possível que ocorra uma eventual melhora nos índices de investimento produtivo. As previsões se baseiam no fato do Indicador continuar abaixo da margem de 100 pontos, o que denuncia as estimativas pessimistas que muitas empresas fazem em relação aos investimentos para os próximos doze meses, informa o presidente da Eucatex Flavio Maluf.

Pela análise do relatório do terceiro trimestre de 2016, o Indicador também abordou a probabilidade dos planos de investimentos serem revisados no período dos próximos doze meses.

A maioria, 57,6% das empresas, disse acreditar que os investimentos permanecerão dentro do programa prévio de desenvolvimento. Já as empresas restantes que acreditam que os investimentos podem sofrer variações que fogem do plano inicial, 23,8% consideram investir mais do que o planejado e e 18,6% indicaram que os investimentos ficarão abaixo do que havia sido previsto.

O grau de certeza das empresas também foi levantado pelo Indicador de Intenção de Investimentos da Fundação Getúlio Vargas. O resultado demonstrou que, atualmente, o nível de incerteza permanece elevado quando comparado aos anos anteriores. 32,7% das empresas são incertas em relação aos investimentos no setor industrial, superando pela segunda vez consecutiva, os 30,4% das empresas que acreditam que poderão manter os investimentos em suas indústrias, noticiou Flavio Maluf.

Segundo especialistas, o relatório mostra o cenário de incertezas existente no mercado em relação à economia e à política do país, as quais interferem diretamente nas projeções de investimentos do setor produtivo.

Inauguração de açougue vegano surpreendeu até os donos: foi sucesso

No mundo do empreendedorismo, alguns apenas seguem a tendência do que está dando certo no momento, outros já buscam arriscar mais e inovar sem muita certeza sobre o sucesso. Porém, há aqueles que conseguem fazer um pouco dos dois, assim não só apostando em algo promissor, como também ainda causando surpresa.

Esse é o caso de um “açougue vegano“, por exemplo. Há de fato um nicho de mercado, um público em crescimento que já está buscando alternativas para o consumo de carne, e que talvez até se acentue com os acontecimentos dos últimos tempos, mas é ao mesmo tempo uma baita novidade, até pelo contraditório do termo que une veganismo a um tipo de estabelecimento essencialmente carnívoro.

Como surgiu a ideia de um açougue vegano e como foi inciado

 

Essa invenção que, embora contraditória a princípio, termina por fazer todo o sentido e até render lucro, teve como responsáveis o casal Marcella Izzo e Brunno Barbosa. Esses dois, no dia 12 de março do ano passado, 2016, inauguram o ‘No Bones’, com a promessa de ser o primeiro açougue vegano de todo o estado paulista.

O marido contou, à época, que já era um sonho de sua companheira abrir um negócio, que foi então conciliado com seu gosto por cozinhar e também seu veganismo recente, posto que antes era apenas ‘vegetariana’. Nesse caso, a busca dela por substitutos na cozinha terminou por levá-la a abrir um negócio que poderia atender a outras pessoas com o mesmo tipo de busca.

Detalhando melhor sobre o cardápio que ofereciam na época do lançamento, que, obviamente, despertava a curiosidade até dos carnívoros, dá para dizer que havia uma variedade considerável. Pra começar, só de opções de hambúrguer o cliente tinha ao todo sete, dentre eles um hambúrguer de feijão preto com azeitonas e outro de ervilhas com cenoura. Além desses, também havia costela de cogulemo, nuggets, etc.

A estratégia por trás do conceito inovador

Para se ter uma ideia do sucesso inicial que obtiveram naquela época, vale lembrar que as prateleiras desse estabelecimento foram esvaziadas pelos clientes, curiosos pela novidade ao ponto de terem formado fila na porta da loja antes do horário de abertura, num período médio de duas horas.

Uma situação de fazer brilharem os olhos de qualquer lojista, mas que pode ser explicada em parte pela localização escolhida, o bairro de Perdizes, na capital do Estado de São Paulo. Segundo o próprio empreendedor, nessa região há uma quantidade considerável de vegetarianos. Não à toa que o casal já morava pelas redondezas, inclusive.

Tomado esse rumo, o negócio então lhes trouxe lucro e satisfação, mas mantiveram eles a promessa de não só servir o tal açougue para a obtenção de lucro com pessoas já acostumadas a esse cardápio, mas também apresentá-lo aos que antes desconheciam a culinária vegana. Para isso, afirmaram que seus produtos tinham tanto sabor quanto textura bem gostosos, e ainda com o diferencial de contarem com valores não abusivos, ou seja, nem baratos demais, nem caríssimos, logo justos.

 

Como montar um plano de negócio?

Um plano de negócio descreve o objetivo da empresa e quais passos podem ser dados para atingir esses objetivos. A primeira questão a ser de determinada no seu plano, caro leitor, é a escolha do negócio. Desta forma, o plano é descrito com as especificidades da sua empresa, ou seja, o segmento de atuação, nome fantasia e os principais produtos e serviços. É importante salientar que a partir desta pesquisa você pode reconfigurar seu plano. No portal SEBRAE, existe diversas informações para quem quer montar a sua empresa.

Um plano de negócio não é um documento fechado e pronto, ele deve ser constantemente mudado de acordo com as suas necessidades. Esse documento pode ser usado para conseguir investimentos junto aos bancos, criar parcerias com fornecedores e clientes e conquistar novos sócios e investidores. Siga os passos adiante e capriche no seu plano de negócio!

Principais características do negócio

Nessa parte você identificará seu negócio. Os principais produtos ou serviços da empresa,seus clientes, a localização, o capital de giro, o faturamento mensal e o tempo esperado para que o valor investido retorne na forma de lucro, tudo isso deve ser descrito nessa etapa inicial.

Análise de mercado

Essa etapa é uma das mais importantes para sua empresa e ela exige muito trabalho de pesquisa, mas com o estudo você define seu cliente e assim pode oferecer as melhores soluções para seus problemas. Nessa etapa você identificará as características gerais do cliente: faixa etária, gênero, composição familiar, o tipo de trabalho e o salário que ganham. A partir daí você reconhece os interesses e os comportamentos do cliente como, por exemplo, a atitude de compra e o que os leva a consumir. No site do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tem muitos levantamentos sobre as características do comportamento do brasileiro.

Conhecer os concorrentes

Identifique seus principais concorrentes, suas práticas importantes e suas deficiências. Analise os preços dos produtos, o preço, a localização, a condição de pagamento, o atendimento aos clientes, busque saber se a empresa tem rede social, pode ser uma prática da sua empresa. Enfim, analise a empresa do seu concorrente e tenha a autocrítica como se fosse seu próprio negócio.

Plano de marketing

O último passo é a definição de um plano de vendas. Descreva os produtos que sua empresa possui e apresente estratégias promocionais para aumentar os lucros. Um plano de divulgação também é importante, você pode utilizar a internet, catálogos, carros de som e faixas e participação em feiras e eventos.

Com um plano de negócio você, caro leitor, pode ir muito mais além e conseguir montar ou reestruturar sua empresa e lucrar mais.

Saiba mais