Nova linha de crédito do BID concede US$ 100 milhões para mulheres empresárias

O BID, uma união entre dois grandes bancos: Banco Interamericano de Desenvolvimento e Itaú Unibanco, revelou recentemente que abriu uma linha de crédito especializada em empreendedorismo feminino no país. Ao todo, o BID revelou que irá repassar um valor de US$ 100 milhões ao banco brasileiro para ativar a linha de crédito.

Segundo o anúncio feito pelo BID, o valor repassado terá como objetivo ampliar o acesso das micro, pequenas e médias empresas a linhas de crédito, que deverão ser concedidas para mulheres empreendedoras que detenham no mínimo 51% de todo o capital social da empresa. O BID revelou que o foco será para empresas atuantes no país que tenham um faturamento anual no valor de no máximo R$ 8 milhões.

A nova linha de crédito do BID é uma celebração do dia 19 de novembro, que marca o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino. Para comemorar, o BID anunciou sua nova linha de crédito que deverá atender grande parte das empreendedoras brasileiras.

A superintendente que cuida dos processos de Sustentabilidade e Negócios Inclusivos do banco Itaú, Denise Hills, disse: “Para nós, do Itaú Unibanco, investir em mulheres é investir no desenvolvimento econômico e social do país. Com essa parceria, queremos contribuir ainda mais para a expansão de crédito ao mercado de empreendedoras, bem como para o desenvolvimento de companhias lideradas por mulheres”.

O BID, que é a parceria dos dois bancos, existe desde o ano de 2010. Contudo, está é a primeira vez que uma linha de crédito é lançada pela parceria com foco em mulheres empreendedoras. Essa iniciativa faz parte de uma nova operação adotada pelo BID em 2013, onde os dois bancos firmaram um acordo de estudar diversas políticas de crédito que possam a oferecer serviços e produtos para empresárias.

Nos últimos cinco anos, o acordo firmado pelo BID já concedeu apoio técnico para um total de 18 instituições financeiras espalhadas em 11 países presentes na América Latina e no Caribe. Segundo o próprio BID, essa transação para linhas de crédito que beneficiem as mulheres empreendedoras já é a maior operação do programa desde que ele foi lançado.

 

É possível começar um negócio do zero? Aprenda seguindo estes passos!

Começar um negócio do zero não é fácil, por isso é necessário ter um bom planejamento alinhado com os ideias da empresa para que você não perca dinheiro e consiga fazer com que o empreendimento prospere.

Empreendimentos que não dependem de um capital são aqueles conhecidos como home Office, onde é possível trabalhar pela internet, através de programas de afiliados, consultoria, prestação de serviços ou até mesmo como freelancer. Nestes casos já é possível começar tendo apenas um blog ou uma e-commerce.

Caso opte por um negócio na internet é necessário realizar um planejamento que aborde todos os possíveis aspectos positivos e negativos do negócio. Neste sentido realizar uma especialização na área para ter uma base teórica maior seria de muita utilidade.

No caso da prestação de serviços é essencial pensar nos meios do cliente contatar a empresa e como o produto será ofertado, além de estratégias para captar novos clientes.

Quando o negócio escolhido é um do tipo e-commerce, o ideal é tentar estratégias de web marketing, como, SEO, programas de afiliados, produção de conteúdo, etc.. Além de procurar conhecer e estudar a concorrência para assim diferenciar-se dela e agarranhar cada vez mais clientes.

Outro ponto essencial para ter um negócio bem sucedido é traçar metas, já que quando se estipula o objetivo mensal é possível manter um padrão e um ritmo de produtividade durante o mês e se manter estimulado a sempre alcançar esta meta, o que auxilia no crescimento do empreendimento.

E como é conhecido por todos, a disciplina e o comprometimento são essenciais para que o negócio funcione e dê certo. Quando se abre um negócio, você fica livre do “chefe chato”, o que para alguns pode ser um benefício, mas também pode ser o que derruba muitas pessoas, já que o crescimento e a produtividade do negócio depende só de você.

Traçar metas e algumas regras básicas, como os horários em que você irá trabalhar, quais ferramentas, processos e ações são essenciais no dia-a-dia para que o plano de negócio idealizado dê certo. Metas a curto, médio e longo prazo também são essências para que tudo funcione.

Portanto a palavra chave para que tudo dê certo é planejamento , calma e muito estudo para que mesmo com pouca experiência, você consiga analisar o todo e ter menos surpresas ao longo do caminho.

No dia 23 de outubro de 2017, Heloisa Menezes, diretora técnica do Sebrae, apontou para a extrema importância de haver mais interação das grandes e médias empresas, com as pequenas e microempresas no Brasil. Segundo a diretora, essa interação tem o poder de ampliar as margens de negócio para os pequenos e grandes empresários, possibilitando ganho para todos, include para a economia do país. A ideia de que mais interação entre as empresas se faz necessária, foi lançada por Menezes três dias antes do 5º Fórum Sebrae de Inovação, que deu início a sequência de atividades da 27ª Conferência Anprotec de Empreendedorismo e Ambientes de Inovação, considerada o maior evento neste setor na América Latina. Este evento foi realizado no dia 26 de outubro deste ano no Centro de Convenções SulAmérica, localizado no Rio de Janeiro. “Esse fórum dentro do evento da Anprotec é uma parceria importante porque valorizamos nesse ambiente, que reúne incubadoras, parques tecnológicos e gestores, os temas de destaque no ano para os pequenos negócios. E o tema deste ano foi fundamental, porque é um assunto que o Sebrae tem trabalhado fortemente, o apoio ao desenvolvimento de empresas nascentes e de startups, por meio de parcerias com grandes e médias empresas que trazem desafios tecnológicos. Esses desafios podem ser resolvidos por pequenas empresas, por serem mais flexíveis, ágeis e poderem fazer esse processo de inovação de forma mais aberta”, afirmou Heloisa. Em meio ao 5º Fórum Sebrae de Inovação, Heloisa presenciou uma apresentação de 7 startups que trouxeram soluções inovadoras para a gestão pública social. A competição realizada pelo Sebrae junto a MRV, contou com a participação de 42 empresas inscritas, buscando trazer tecnologia e avanços. As empresas tiveram que proporcionar ideias inovadoras para os temas: segurança, sustentabilidade, mobilidade e comunicação. Entre as startups participantes, estava a Asel Tch Tecnologia e Automação Ltda, responsável por um projeto tecnológico em parceria com a USP – Universidade de São Paulo, focado na localização e na solução de rompimentos e vazamentos nas linhas de transportes de fluídos (gás ou líquido). “O nosso objetivo é estimular a inovação e o empreendedorismo que transforma cidades, dentro de uma gestão inteligente, em ambientes mais dinâmicos, com novas vocações e fontes diversas de emprego e renda. A competição também é uma forma de estimular esse ecossistema, além de aproximar as pequenas empresas de base tecnológica com as grandes empresas e investidores”, diz Heloisa.

Resultado de imagem para Pequenas e grandes empresas devem dar as mãos, afirma diretora técnica do Sebrae

No dia 23 de outubro de 2017, Heloisa Menezes, diretora técnica do Sebrae, apontou para a extrema importância de haver mais interação das grandes e médias empresas, com as pequenas e microempresas no Brasil. Segundo a diretora, essa interação tem o poder de ampliar as margens de negócio para os pequenos e grandes empresários, possibilitando ganho para todos, include para a economia do país.

A ideia de que mais interação entre as empresas se faz necessária, foi lançada por Menezes três dias antes do 5º Fórum Sebrae de Inovação, que deu início a sequência de atividades da 27ª Conferência Anprotec de Empreendedorismo e Ambientes de Inovação, considerada o maior evento neste setor na América Latina. Este evento foi realizado no dia 26 de outubro deste ano no Centro de Convenções SulAmérica, localizado no Rio de Janeiro.

“Esse fórum dentro do evento da Anprotec é uma parceria importante porque valorizamos nesse ambiente, que reúne incubadoras, parques tecnológicos e gestores, os temas de destaque no ano para os pequenos negócios. E o tema deste ano foi fundamental, porque é um assunto que o Sebrae tem trabalhado fortemente, o apoio ao desenvolvimento de empresas nascentes e de startups, por meio de parcerias com grandes e médias empresas que trazem desafios tecnológicos. Esses desafios podem ser resolvidos por pequenas empresas, por serem mais flexíveis, ágeis e poderem fazer esse processo de inovação de forma mais aberta”, afirmou Heloisa.

Em meio ao 5º Fórum Sebrae de Inovação, Heloisa presenciou uma apresentação de 7 startups que trouxeram soluções inovadoras para a gestão pública social. A competição realizada pelo Sebrae junto a MRV, contou com a participação de 42 empresas inscritas, buscando trazer tecnologia e avanços. As empresas tiveram que proporcionar ideias inovadoras para os temas: segurança, sustentabilidade, mobilidade e comunicação.

Entre as startups participantes, estava a Asel Tch Tecnologia e Automação Ltda, responsável por um projeto tecnológico em parceria com a USP – Universidade de São Paulo, focado na localização e na solução de rompimentos e vazamentos nas linhas de transportes de fluídos (gás ou líquido).

“O nosso objetivo é estimular a inovação e o empreendedorismo que transforma cidades, dentro de uma gestão inteligente, em ambientes mais dinâmicos, com novas vocações e fontes diversas de emprego e renda. A competição também é uma forma de estimular esse ecossistema, além de aproximar as pequenas empresas de base tecnológica com as grandes empresas e investidores”, diz Heloisa.