O que é o empreendedorismo social?

Quer entender melhor o contexto da economia que possibilitou conceitos como o de inovação e empreendedorismo social?

Paradigmas existem para serem quebrados e a sociedade atual encara essa realidade diariamente: a forma como nos relacionamos uns com os outros, como pesquisamos e compramos produtos, como encaramos e lidamos com a política. Esses são só alguns exemplos de paradigmas que sofreram disrupções recentes, a partir da tecnologia, da inovação e da mudança dos tempos. Nesse cenário, pensando na economia e nos negócios, é que surgem novos termos e propostas, como o empreendedorismo social e a inovação social.

Quer entender melhor o contexto da economia que possibilitou conceitos como o de inovação e empreendedorismo social? Então este artigo é para você. A seguir, desvende o significado dos dois termos, conheça cases de empreendedorismo social e veja como a inovação acontece!

Um empreendedor social é aquele que apresenta e desenvolve soluções inovadoras para atender aos problemas sociais. São profissionais ambiciosos e persistentes, que se preocupam com as grandes questões sociais e estão em busca de ideias que tragam mudanças em grande escala.

Ser um empreendedor social significa visar a maximização do capital social a fim de realizar mais iniciativas, programas e ações para que uma comunidade, cidade ou região possa se desenvolver de maneira positiva e sustentável. O empreendedorismo social surge em contextos turbulentos, de crise e desafios econômicos, sociais e ambientais.

Empreendedorismo social é um conjunto de ações empreendedoras que buscam a melhoria da sociedade. Para isso, os empreendedores criam medidas que podem, ao mesmo tempo, ser lucrativas e sociais.

Trata-se de um tipo de empreendedorismo que busca implantar medidas sustentáveis para conciliar os avanços tecnológicos e outros progressos sociais com um meio ambiente mais saudável e boas condições de vida para todos.

Uma das metas do empreendedorismo social é reduzir as desigualdades sociais e econômicas por meio da criação de negócios que gerem não apenas dinheiro, mas tragam melhorias em todos os setores existentes em uma sociedade. Esta forma de empreender busca uma forma de vida mais justa, em que o meio ambiente é preservado e as diferenças sociais são reduzidas de forma que todos tenham oportunidades iguais.

Guilherme Paulus investe pesado no lançamento de um novo hotel de luxo em SP

Uma referência para o business empresarial e para o setor de turismo brasileiro, Guilherme Paulus anuncia a data de entrega de mais um grande empreendimento no ramo da hotelaria. Um hotel com capacidade para 65 apartamentos de alto padrão será entregue na Cidade Jardim entre 2020 e 2021. O anúncio foi feito em 2018 pelo próprio empresário dono da rede GJP Hotéis & Resort.

Guilherme Paulus ficou famoso pela criação de uma das mais importantes agências de viagens turísticas, a CVC. Ao longo dos anos, o empresários deixou de ser dono da agência, mas continua como um dos sócios de grande influência. Além da agência de viagens, o empresário está à frente das marcas: Wish, Linx, Saint Andrews e Prodigy, todas de responsabilidades do gurpo GJP.

Com base no histórico de sucesso dos empreendimentos lançados pelo grupo, as expectativas são de que o novo hotel em São Paulo seja surpreendente em todos os aspectos. O porte luxuoso agregado ao hotel icônico que já está em andamento, conta com 65 apartamentos, rooftop, área vip, área gourmet refinada, estacionamento, serviço 5 estrelas, e profissionais especializados em todos os serviços.

Por estar concentrado na Cidade Jardim, os visitantes do hotel poderão contar com endereços importantes próximos, como shopping centers, escolas, lojas, boutiques, restaurantes, dentre outros pontos importantes que poderão ser acessados sem complicação. Uma das estratégias do novo endereço é a proximidade com a Avenida Faria Lima. O acesso a região segue de forma fácil para quem visita o local pela primeira vez.

O edifício onde será inaugurado o novo hotel da rede GJP já foi a matriz da antiga Agência de Publicidade DPZ. Um dos motivos para a escolha do edifício é que parte de sua estrutura será agregada ao empreendimento luxuoso. A estrutura do antigo prédio que está sendo reformada, é ampliada como grandes shopping centers fazem ao longo de décadas. Isso só tende a valorizar ainda mais o que já existe, reforçando a autoridade turística da região.

Expandir utilizando grandes referências em pontos turísticos é uma das estratégias de Guilherme Paulus. O ponto forte do empresário é ressaltar o que existe de melhor em cada região onde os hotéis e resorts da rede GJP estão concentrados. Isso favorece o turismo nestas regiões, gerando um número maior de empregos, mais oportunidades de negócio para os comerciantes e mais opções para quem visita esses locais.

Para que isso venha a dar certo em São Paulo como em outros empreendimentos lançados por Guilherme Paulus, o empresário não poupa esforços. O investimento terá um alto custo e recebe grande atenção da rede GJP em todos os detalhes. Conforme o edifício está sendo ampliado e modernizado, as fases da obra vão sendo acompanhadas de perto por engenheiros e arquitetos especializados em construção de alto padrão.

O que podemos esperar é um moderno edifício que encantará os olhos de visitantes, colaboradores e moradores próximos. A região onde o novo hotel será inaugurado é famosa por um alto nível arquitetônico e de infraestrutura na cidade. Guilherme Paulus espera contribuir com sua parte e não poupará investimentos para elevar ainda mais as opções de hotéis de luxo em São Paulo.

Empreendedorismo

O empreendedorismo tem o poder de mudar fundamentalmente a maneira como vivemos e trabalhamos. Os negócios e produtos que eles constroem podem criar riqueza e fomentar a inovação. Estas são apenas algumas das razões pelas quais os empresários são importantes para a nossa economia.

Os empresários criam novos negócios e isso, por sua vez, cria novos empregos . Isso faz parte de um ciclo em que cada um alimenta e suporta o outro à medida que o negócio cresce e se expande. Quanto mais bem-sucedido for um empreendimento comercial, mais indivíduos poderão empregar. Isso permite a criação de postos de trabalho e posições com salários mais altos. À medida que novos trabalhadores migram para a área, mais dinheiro inunda a comunidade e isso enriquece o estado. Esse afluxo de moradores empurra mais dinheiro dos impostos para o condado e o estado, levando a uma melhor infraestrutura para acomodar o fluxo de novos trabalhadores e suas famílias.

Os empresários contribuem para a renda nacional gerando novas riquezas. Muitas empresas existentes acabam atingindo um teto de riqueza, e isso mantém o status quo. Produtos e conceitos novos e aprimorados permitem que novos mercados sejam desenvolvidos ou que os mercados existentes se expandam. Alguns dos setores em expansão para os aspirantes a empreendedores incluem desenvolvimento de aplicativos, análise forense digital e assistência médica móvel.

Por exemplo, smartphones e aplicativos revolucionaram a forma como trabalhamos e nos conectamos. A capacidade de comunicar, compartilhar e aprender na internet em movimento é um tremendo benefício. Os smartphones estão se tornando cada vez mais populares na China e na Índia , unindo-se aos Estados Unidos como os três maiores impulsionadores da saturação e do crescimento dos smartphones. Essa globalização da tecnologia significa que os empreendedores em muitos países têm acesso às mesmas ferramentas e informações que suas contrapartes em outros lugares.

Empreendedores também estão frequentemente na vanguarda da mudança social. Eles se afastam da tradição reduzindo a dependência de sistemas e tecnologias obsoletos. Isso cria uma liberdade econômica que gera uma maior qualidade de vida. Outro aspecto célebre é que o empreendedorismo permite que os futuros empresários abandonem as normas culturais e sociais. Isso transita para o reino dos negócios tradicionais.

O que é projeto social

O empreendedorismo social é definido como o impulso para uma transformação social positiva e soluções sociais inovadoras. É mais comumente praticado nas áreas de saúde, educação, meio ambiente e desenvolvimento de pequenas empresas. Os empreendedores sociais usam metas e métodos padrão de negócios para construir organizações fortes e sustentáveis que inovam e superam vários problemas sociais.

O empreendedorismo social é sobre a criação e aplicação de sistemas e abordagens práticas que beneficiem a sociedade em grupos gerais ou específicos, como as minorias pobres ou marginalizadas marginalizadas. Empreendedores sociais são muito diferentes do resto da multidão de negócios, porque geralmente são pessoas bem-intencionadas que se dedicam a lutar pela justiça e melhoria social. É um termo que engloba abordagens únicas para problemas sociais e econômicos historicamente desafiadores.

Essas notícias e abordagens interdisciplinares geralmente atravessam setores para alcançar o sucesso, mas também se baseiam em certos valores e processos que são adotados pela maioria dos empreendedores sociais. Estas incluem as áreas de saúde, educação, agricultura, meio ambiente, reforma previdenciária, direitos humanos, desenvolvimento econômico e direitos dos trabalhadores. O empreendedorismo social tem como foco a criação de recursos locais através do empoderamento das populações locais para mobilizar seus próprios recursos humanos, financeiros e políticos.

Objetivos comuns

O objetivo mais ambicioso do movimento de empreendedorismo baseado na comunidade é alcançar uma mudança social sistêmica e sustentável por meio da aplicação rigorosa de tecnologias conhecidas e estratégias de negócios. Em primeiro lugar, os empreendedores sociais concentram-se na criação de valor social e ecológico antes de se concentrarem na maximização da criação de valor financeiro.

Os empreendedores sociais se esforçam para inovar em novos produtos, serviços ou abordagens que resolvam problemas sociais enquanto geram receita.

Um bom exemplo disso são os programas de microcrédito em países em desenvolvimento para pessoas carentes com idéias de negócios sólidas. Os empreendedores sociais refinam e adaptam continuamente suas abordagens em resposta ao feedback, a fim de permanecerem atuais e receptivas às mudanças sociais. Alguns empreendedores sociais se concentram principalmente em aumentar a conscientização sobre certos problemas globais, como desmatamento ou desertificação. Os empreendedores sociais são intensamente focados e árduos na busca de uma visão social melhor.

Os empreendedores sociais são muito ambiciosos porque enfrentam as principais questões sociais que atribuíam às agências do governo que se esforçavam para lidar.

O que a revolução do empreendedorismo social precisa agora

Para muitos empreendedores sociais, o vale da morte – a lacuna entre o financiamento em estágio inicial e o capital comercial – é real. Mas suas idéias e modelos de negócios, se apoiados por uma infra-estrutura crescente, podem desempenhar um papel crítico ao transformar a lista de desafios nos objetivos de desenvolvimento sustentável em oportunidades de mercado que beneficiam a sociedade.

Há um número crescente de atores engajados no empreendedorismo social – existem os próprios empreendedores, é claro, mas os doadores, investidores, intermediários, governos e corporações multinacionais têm um papel a desempenhar.

E apesar dos desafios e das lacunas de infraestrutura, o consenso entre os proponentes parece ser que este é um momento emocionante para o campo. O tropo comum é que o empreendedorismo social e o investimento de impacto que apoiarão seu crescimento ainda são “nascentes” ou “iniciais”. E isso é verdade – cinco ou dez anos atrás, o diálogo era muito diferente.

“O trabalho de enfrentar os desafios sociais”, de acordo com Jean Case, co-fundador e CEO da Case Foundation e um evangelista de empreendedorismo auto-identificado, “caiu em grande parte para o setor público”.

As pessoas geralmente viram as organizações não-governamentais e os filantropos como atores-chave ao lado do governo, explicou Case, mas é necessário que surjam mais soluções dos países em desenvolvimento – dos empreendedores que testemunham os desafios sociais.

“Sinceramente, o assento que não tem um remo para remar enquanto tentamos chegar à linha de chegada é o espírito empreendedor. Os empreendedores entrando e trazendo suas brilhantes ideias inovadoras sobre como resolvemos problemas”, disse Case. “Isso pode realmente ser transformacional e eu já vi isso acontecer… muita mudança foi levada para fora das salas de conferência com luzes fluorescentes, e não nas linhas de frente do problema, então acredito que está mudando”.

Há um número crescente de empreendedores espalhados por países em desenvolvimento que estão experimentando e inovando com novos produtos, serviços e sistemas que podem enfrentar o agronegócio, o acesso à energia, assistência médica, educação e muito mais. Incubadoras e aceleradoras parecem estar surgindo à esquerda e à direita, as agências doadoras estão explorando como podem apoiar empreendedores e fortalecer o ecossistema, alguns governos criaram uma legislação favorável aos negócios para incentivar o empreendedorismo, e o pequeno grupo de intermediários está crescendo, maior necessidade de vincular e apoiar empresas promissoras com capital.

Fundação Getúlio Vargas anuncia recuo da inflação em relação a algumas despesas

A FGV (Fundação Getúlio Vargas) informou por meio de uma publicação que a inflação percebida pelo consumidor sofreu diminuição em novembro de 2018. Os dados apontados foram divulgados no final da primeira quinzena do mês. Vale salientar que a instituição toma por base o IGP-10 (Índice Geral de Preços – 10), um instrumento de mensuração de alguns dados econômicos inflacionários.

Outro mecanismo empregado pela FGV como maneira de se medir as oscilações da inflação no país, o IPC-10 (Índice de Preços ao Consumidor – 10), apresentou discreta elevação, terminando o período avaliado com aumento de 0,29%. Os resultados do mês de outubro, entretanto, foram maiores, já que este foi de 0,52%.

Dentre os tipos de despesas que apresentaram recuo de caráter inflacionário, quatro delas se destacam: transporte, que havia sofrido elevação de 1,43% e passou para 0,33%; a gasolina, que se elevou em 0,44%, valor significativamente inferior ao mês anterior, quando se registrou alta de 4,68%. Além disso, as categorias que compreende os gastos com habitação e educação ficaram respectivamente com 0,37% e 0,33% na avaliação.

Estima-se que as baixas em alguns aspectos da inflação sejam desdobramentos de fatos ocorridos na economia, tais como diminuição da taxa de eletricidade de natureza residencial e baixas com gastos envolvendo lazer, por exemplo.

Em contrapartida, algumas despesas respondem por aumentos na inflação. A alimentação, que é um grupo de gastos indispensáveis, costuma sofrer elevações de acordo com as oscilações da economia, bem como em razão de fatores climáticos. No período considerado, contudo, foi justamente um dos gastos que mais contribuíram para o aumento inflacionário, passando de 0,47% para 0,83%.

Os cuidados pessoais e a saúde foram agrupados em mesmo grupo. Neste caso, estes gastos também fizeram com que a inflação se elevasse, ou seja, se no período anterior os índices inflacionários eram de 0,40%, estes passaram para os atuais 0,45%.

O setor de vestuário foi um dos que mais sentiram a alta da inflação no período adotado para estudos. Segundo os dados levantados pela FGV, a inflação decorrente de gastos com peças desse tipo foram de 0,22% em outubro para 0,50% em novembro.

 

Saiba mais:

https://www.istoedinheiro.com.br/energia-e-gasolina-arrefecem-inflacao-ao-consumidor-no-igp-10-diz-fgv/

Chery e CAOA – como a parceria entre a empresa chinesa e a de Carlos Alberto de Oliveira Andrade pode dar certo?

A empresa de Carlos Alberto de Oliveira Andrade, a CAOA, dá um passo importante com a parceria com a Chery, montadora chinesa. Com uma postura bastante agressiva, as duas pretendem aquecer o mercado interno. Leia o post e saiba mais.

Há pouco mais de um ano a CAOA passou a conduzir a operação brasileira da Chery, o que inclui a fabricação na unidade industrial de Jacareí (SP) e a revenda dos modelos chineses. Era o início de um plano ousado com lançamentos de modelos considerados “chave”, bem como a expansão da rede de concessionárias.

CAOA Chery – uma parceria que promete

A montadora chinesa desembarcou no país em agosto de 2009 como parte de um planejamento que previa a internacionalização da marca. Cinco anos depois, a empresa inaugurava sua primeira fábrica fora do país de origem em Jacareí, no Vale do Paraíba (SP). Na ocasião foram investidos mais de US$ 400 milhões.

A realidade era bem diferentes de hoje. Se antes a marca detinha apenas uma pequena parcela de vendas com os modelos QQ e Cele, hoje o portfólio é maior e inclui o crossover Tiggo 2, com boa aceitação no mercado e planos para lançar outros modelos ainda no primeiro semestre de 2019.

São esperados para o ano que vem mais veículos da linha Tiggo, como o Tiggo 5x e Tiggo 7, além do sedã Arrizo 5. Ambos apresentam o novo motor 1.5 turbo e marcam o avanço da marca no que diz respeito ao design e equipamento. Também é esperado o Tiggo 8 para o mercado nacional. O SUV será o primeiro da marca de 7 lugares a chegar ao país.

Essa série de lançamentos mostram o nível de ousadia da parceria, principalmente pelo fato dos segmentos de SUV e sedã serem os mais disputados no mercado nacional. O acordo entre as duas empresas teve o aval de Carlos Alberto de Oliveira Andrade, que apesar de estar afastado do comando direto da CAOA, ainda é presidente do conselho administrativo do grupo e acompanha tudo de perto.

Quem é Carlos Alberto de Oliveira Andrade

Carlos Alberto de Oliveira Andrade, o dr. CAOA como é chamado pelas pessoas mais próximas, é cirurgião dentista por formação e “homem forte” do setor automotivo brasileiro por vocação. O empresário começou no segmento por coincidência, depois que adquiriu um Ford Landau que nunca foi entregue devido a falência da concessionária. Ele viu uma boa oportunidade, comprou a loja e deu início a sua nova jornada.

Pouco mais de cinco anos depois, o paraibano já era o maior revendedor da Ford do Brasil. Sempre a frente do seu tempo, Andrade fez parcerias com a Renault para importar oficialmente os veículos da marca, com a Hyundai e outras marcas, até decidir construir sua própria fábrica.

E foi com recursos próprios que Carlos Alberto de Oliveira Andrade desenvolveu a unidade fabril de Anápolis (GO) e a inaugurou em 2007. O intuito era fabricar os modelos Hyundai para o mercado nacional e latino. O que lhe rendeu o título de Distribuidor do Ano de 2012 concedido pela marca coreana, prêmio disputado entre 179 distribuidores da Hyundai em todo o planeta.

Experiência médica avança na luta pela cura de alergias ao amendoim

A exposição a traços de amendoim em biscoitos, bolos ou outros alimentos de contaminação cruzada pode terminar com uma reação alérgica severa e até hospitalização.

No entanto, há boas notícias para quem é alérgico a esse alimento.

Os resultados de um novo estudo podem levar à aprovação de um novo tratamento que reduz o risco desses tipos de reações potencialmente fatais, proporcionando alívio não apenas para as crianças, mas também para seus pais.

O tratamento não é uma cura para a alergia ao amendoim. Também não é projetado para permitir que as crianças comam sanduíches inteiros de manteiga de amendoim e geleia. Em vez disso, o objetivo é permitir que elas tolerem pequenas quantidades do alimento.

“Ser capaz de comer com segurança um ou dois amendoins é uma grande melhoria em termos de qualidade de vida das crianças – como quando elas vão à casa de um amigo durante a noite e estão evitando amendoins, mas ainda podem acidentalmente ingerir uma pequena quantidade”, disse o Dr. Stephen Tilles, um dos co-autores do estudo e ex-presidente da Universidade Americana de Alergia, Asma e Imunologia.

Para muitas crianças com alergia ao amendoim, isso é proteção suficiente.

“Algumas crianças nem querem comer comida com amendoim. Elas só querem ser protegidas caso sejam expostas acidentalmente ao alimento”, disse a Dra. Tina Sindher, professora assistente clínica do Centro Sean N. Parker para Pesquisa em Alergia e Asma da Universidade de Stanford, que não esteve envolvida no estudo.

Os resultados da pesquisa foram apresentados no dia 18 de novembro na Universidade Americana de Alergia, Asma e Imunologia em Seattle e publicados no dia seguinte no New England Journal of Medicine.

No estudo, 372 crianças com uma alergia a amendoim já diagnosticada consumiram uma quantidade crescente de proteína de amendoim todos os dias, começando com quantidades mínimas. Isto foi seguido por seis meses em uma “dose de manutenção”, o equivalente a um amendoim por dia.

Este tipo de tratamento é conhecido como imunoterapia oral e é projetado para construir a tolerância do sistema imunológico a um alérgeno.

Depois de um ano, mais de dois terços dessas crianças de 4 a 17 anos foram capazes de consumir 600 miligramas de proteína de amendoim – o equivalente a dois amendoins – durante um desafio alimentar “com apenas sintomas leves”.

Em contraste, apenas 4% das 124 crianças que estavam tomando um pó não-amendoim durante todo o estudo – o grupo placebo – foram capazes de tolerar a mesma quantidade de proteína de amendoim.

Metade das crianças no grupo de tratamento também foram capazes de consumir com segurança 1.000 miligramas de proteína de amendoim durante o desafio alimentar.

O que é empreendedorismo social?

Um equívoco comum é que qualquer empresário, ou qualquer pessoa que inicie um negócio, é um empreendedor. Mas começar um negócio, segundo os economistas Say e Schumpeter, não é o principal componente do empreendedorismo. Em vez disso, o empreendedorismo está preocupado em estimular o progresso econômico por meio de inovação e ação. No início do século XIX, o economista francês Jean Baptiste Say descreveu os empreendedores como “os indivíduos aventureiros que estimularam o progresso econômico encontrando maneiras novas e melhores de fazer as coisas”. Em outras palavras, os empreendedores otimizam a alocação e o uso de recursos para gerar lucros máximos.

Para atingir seus objetivos econômicos, a mentalidade do empreendedor deve ser inovadora, criativa e orientada para objetivos. Nas palavras do economista do século XX Joseph Schumpeter.

“A função dos empreendedores é reformar ou revolucionar o padrão de produção… explorando uma invenção ou, mais genericamente, uma possibilidade tecnológica inexperiente para produzir uma nova mercadoria ou produzir uma antiga de uma nova maneira, abrindo uma nova fonte de fornecimento de materiais ou um novo ponto de venda de produtos, reorganizando uma indústria e assim por diante.”

Além disso, o empreendedor prospera em problemas e é motivado pela ideia de alterar uma situação desagradável. Em vez de esperar por instruções, o empreendedor inicia uma ação direta. Se o empreendedor enxergar um método mais eficaz de fazer as coisas, ele não hesitará em eliminar os sistemas existentes em favor de uma abordagem totalmente nova para um problema. O empreendedor tem a coragem de assumir riscos calculados, às vezes até fazendo “coisas que os outros pensam que são imprudentes, ou até mesmo desobedientes”. O empreendedor também leva os projetos até a conclusão e é desinibido por contratempos ou desafios ocasionais.

O empreendedor social aproveita as habilidades de empreendedorismo para fazer um bem social. De acordo com J. Gregory Dees, o empreendedorismo social “combina a paixão de uma missão social com uma imagem de disciplina, inovação e determinação de negócios comumente associada, por exemplo, aos pioneiros do Vale do Silício de alta tecnologia.” As energias filantrópicas do empreendedor social são canalizadas para empreendimentos comerciais, criando valor nos negócios para que os consumidores estejam dispostos a pagar pelos bens e serviços e, ao fazê-lo, o empreendedor social ganha um lucro que é investido nos empreendimentos sociais.

A bem-sucedida jornada da vida do estabelecido Flavio Maluf

 

Existem, no entanto, algumas pessoas no mundo que sabem como fazer o equilíbrio perfeito na vida. Entre essas pessoas é Flavio Maluf. Ele é um empresário talentoso e um executivo de negócios do Brasil. Ele lidera o Grupo Eucatex há mais de 30 anos. Ele também é um marido orgulhoso de Jacqueline de Lourdes. Eles estão casados há 31 anos. É seguro dizer que ele é um homem de família há mais tempo do que um líder empresarial executivo.

 

Tendo estudado em uma das instituições mais conceituadas do Brasil, Flavio Maluf se estabeleceu como engenheiro mecânico muito estimado, de acordo com Wikipedia. Ele iniciou sua educação superior na Fundação Armando Alvares Penteado . Mais tarde, ele foi para os Estados Unidos para aprofundar sua educação e aperfeiçoar suas habilidades tão necessárias em administração. Enquanto nos Estados Unidos, ele teve a oportunidade de trabalhar como administrador. Essa oportunidade serviu bem no crescimento de suas habilidades. Foi em 1986 que ele retornou ao Brasil e um ano depois assumiu o cargo de executivo comercial na Eucatex.

 

Sua nova posição na Eucatex está bem alinhada com seus objetivos de desenvolvimento, e ele não poderia estar mais orgulhoso de si mesmo. Essa foi a razão pela qual o Conselho de Administração da Eucatex considerou digno de promovê-lo para liderar a divisão industrial. Não demorou muito, no entanto, antes de ser absorvido pelo braço executivo da Eucatex. Devido à sua impressionante arte, Flavio Maluf foi promovido em 1997 para ser o presidente da empresa. Isso significou um enorme marco no crescimento de sua carreira.

 

Em sua nova posição, Flavio Maluf vem trabalhando no sentido de encontrar formas mais novas e mais modernas de operar na Eucatex. Ele é um líder envolvido e gosta de participar de todos os aspectos do trabalho na empresa. Alguns podem descrevê-lo como um micro-gerente, mas ele não concorda. Ele gosta de pensar em si mesmo como um líder prático. Ele é um líder que sente a necessidade de observar os que estão debaixo dele e ajudá-los a crescer. Sua natureza filantrópica também é evidente quando ele direciona a empresa para programas comunitários, como doações para hospitais como Maternidade Idio Carli.