Novo Ministro do Turismo desperta otimismo e confiança em Guilherme Paulus

Foi em dezembro de 2018, durante a Copa Itaipu de Golfe, que Guilherme Paulus concedeu uma entrevista ao M&E onde revelou algumas de suas opiniões sobre o atual Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro, e seu antecessor, Vinicius Lummertz.

Apesar do elogiado desempenho de Lummertz no período em que exerceu o cargo de Ministro do governo anterior, Paulus, entre outros importantes nomes que representam o segmento no Brasil, demonstrou confiança com o futuro em relação à qualidade do trabalho de Álvaro.

Os fatos de que Marcelo Álvaro “não está caindo de paraquedas” nesta nova empreitada e de também estar recebendo todo o apoio para exercer este ofício da melhor maneira possível, transmitem ao sócio-fundador da operadora de viagens CVC uma dose de otimismo suficiente para afirmar que, em sua opinião, o novo Ministro de Turismo do Brasil “irá fazer um ótimo trabalho”. Ainda de acordo com sua visão na época da entrevista, inicialmente, como primeiro passo, Álvaro deveria se reunir com as principais instituições do segmento para saber diretamente dos envolvidos na área quais seriam os pontos mais importantes para serem trabalhados durante seu mandato.

Guilherme Paulus não pôde deixar de enaltecer os serviços prestados por Vinicius Lummertz e nem a sua postura assumida durante o período de transição de governo. Nas palavras do executivo “essa passagem de bastão está sendo fantástica”. Para Paulus, o apoio que Lummertz está oferecendo ao compartilhar sua experiência e conhecimento com o novo Ministro para que ele não sofra contratempos como o próprio Lummertz no início de seu mandato, só prova que ele “foi um dos maiores ministros que já tivemos”.

A permanência do Ministério do Turismo no atual governo também foi celebrada por Guilherme Paulus, uma vez que esse departamento possui uma “importância incalculável para todas as áreas do setor”.

Sobre a Copa Itaipu de Golfe

Os jogos da última fase do circuito Iguassu Golf Tour, da Copa Itaipu de Golfe, ocorreram nos campos de golfe de um dos principais empreendimentos da GJP Hotéis & Resorts de Guilherme Paulus, o resort Wish Foz do Iguaçu. O evento, que ocorreu no dia 08 de dezembro, contou com a presença de 72 jogadores nesta etapa final, onde também estiveram especialistas para participar e realizar a cobertura do campeonato. Com muito orgulho e satisfação, Paulus prestigiou o acontecimento comemorando a proporção de alcance desta última fase da competição realizada em seu resort. “Temos feito um trabalho excepcional com o golfe aqui no resort e no campeonato”, declarou.

O Wish é um resort que dentre os seus inúmeros atrativos conta com um campo de golfe que faz toda a diferença ante a concorrência, pois é o único empreendimento em Foz do Iguaçu que oferece este tipo de opção. Com este “complemento muito especial”, Guilherme Paulus consegue atrair para seu negócio tanto hóspedes comuns como também jogadores e admiradores do esporte. Além dos próprios brasileiros que procuram um local diferenciado para se hospedar em Foz, o Wish tem o costume de receber muitos golfistas paraguaios e argentinos, afirmou o empresário finalizando a entrevista.

A importância da qualidade sobre a quantidade

Qualidade sobre quantidade – é um conceito simples ensinado para nós ao longo de nossos anos de formação – mas é um que se encaixa como um pino quadrado em um buraco redondo no ambiente corporativo de hoje. A razão pela qual é tão difícil enfatizar a qualidade em detrimento da quantidade é simples – as empresas estão estabelecidas para ganhar dinheiro o mais rápido possível e com as maiores margens possíveis. A elaboração de produtos únicos de alta qualidade tende a ser cara e demorada, e deve ser vendida a preços muito mais altos e menos atraentes para o consumidor médio, a fim de ser lucrativa. O trabalho de menor qualidade, produzido rapidamente em fábricas terceirizadas com um comprometimento de tempo mínimo por produto, tende a ser muito mais lucrativo, com margens mais altas e um preço mais baixo e mais atraente para os consumidores. Os adotantes bem conhecidos desse modelo de negócios e notícias são o Wal-Mart e o Target.

No entanto, os gerentes de negócios não devem ignorar totalmente a importância da qualidade sobre a quantidade. Se o seu produto se tornar conhecido pela sua construção de má qualidade – e devido à Internet, a palavra viaja rapidamente – as suas vendas globais e economia serão rapidamente danificadas. É provável que os consumidores modernos busquem opiniões on-line antes de comprar produtos – você não preferiria que fossem recebidos por uma série de comentários favoráveis, em oposição a uma enxurrada de comentários irados? Se o seu produto é muito barato, ele também pode ser facilmente perdido na lixeira do Wal-Mart, juntamente com uma infinidade de produtos de má qualidade, de nome semelhante, feitos no exterior.

Vamos dar uma olhada em alguns exemplos onde a qualidade sobre a quantidade prevaleceu. Na indústria automobilística, o modelo de negócios da BMW de venda de carros de luxo bem trabalhados em camadas tornou-se um padrão para as empresas que desejam enfatizar a qualidade do produto. A BMW oferece seus principais veículos em três sabores – a série compacta 3, a série 5 de tamanho médio e a série 7 de luxo – todos voltados para diferentes mercados. Além disso, vende hatchbacks esportivos Mini, bem como o ultra-luxuoso Rolls-Royce, a fim de atrair as extremidades inferior e superior do espectro de preços, respectivamente.

Guilherme Paulus e seus inestimáveis conselhos para quem planeja passar férias no Brasil

Como fundador da GJP Hotel and Resorts, o empresário Guilherme Paulus pode ser descrito com precisão como um dos empreendedores da área do turismo mais experientes e entusiastas do Brasil em termos de ser capaz de fazer excelentes recomendações de viagem.

O fato é que, quando as pessoas decidem viajar para o exterior, geralmente estão muito interessadas em descobrir descrições detalhadas dos melhores lugares para visitar, a fim de criar lembranças que durem para uma vida inteira.

Para quem se dirige ao Brasil, o empresário Paulus é uma das melhores fontes para esse tipo de informação. Ele administra uma das empresas de hotelaria e viagens mais vibrantes e bem-sucedidas do Brasil e pode lançar alguma luz sobre os pontos críticos que os viajantes brasileiros precisam conferir.

Guilherme é também o homem por trás de uma grande empresa de viagens chamada CVC. Em um esforço para criar um ambiente onde as viagens pelo Brasil podem ser uma experiência livre de preocupações, o especialista em hotéis tem seu próprio guia incrível para viagens.

Gramado é um dos primeiros lugares que Guilherme Paulus recomenda para os viajantes porque é uma das cidades mais belas do Brasil e algumas das melhores arquiteturas de todo o país. Há muitas coisas memoráveis para ver e fazer em Gramado.

O Rio de Janeiro é outro lugar que está no topo da lista de Guilherme Paulus. Esta é, naturalmente, a segunda maior metrópole do Brasil e pode parecer uma escolha óbvia, mas Guilherme enfatiza que há muito mais a fazer no Rio do que se imagina.

De pegar os bondinhos da Montanha do Açúcar para maravilhar-se com as incríveis arquiteturas e museus das cidades, há pouca dúvida de que uma viagem ao Rio imprime lembranças ao longo da vida na mente do viajante.

Quem é Guilherme Paulus?

Nascido em São Paulo em 1949, Guilherme de Jesus Paulus tornou-se um dos empresários mais bem sucedidos do Brasil, graças a uma visão que ele nutriu e alimentou em sua mente quando criança. Quando jovem, Paulus estudou administração de empresas na universidade e, com a tenra idade de 20 anos, aceitou um estágio na IBM.

Com a idade de 24 anos, Paulus conheceu um funcionário do governo local chamado Carlos Vicente Cerchiari em 1972, que tinha uma ideia sobre trazer o turismo para o Brasil. Paulus estava entusiasmado com a ideia, mas não tinha dinheiro para investir.

Cerchiari ofereceu um acordo de investimento para formar uma nova empresa chamada CVC, também conhecida como Operadora e Agência de Viagens CVC Tour Ltda, com o entendimento de que Paulus seria o homem por trás da operação do dia-a-dia. Os dois abriram a primeira loja em São Paulo, no final de 1972, e continuaram a sua parceria por mais quatro anos antes de Cerchiari deixar as operações.

Hábitos Produtivos

A natureza dos negócios de Guilherme Paulus permite que ele viaje para diversos locais rotineiramente. O especialista em hotéis tem certeza de que estar próximo aos estabelecimentos de sua empresa o torna mais produtivo e atento aos processos de negócios em andamento.

Como presidente do grupo GJP, ele acredita que o intercâmbio com a equipe e os clientes está entre seus hábitos produtivos. Ele acredita que é fácil separar-se de seus funcionários e clientes quando sua empresa cresce e se expande.

Leia também: https://www.infomoney.com.br/negocios/noticias-corporativas/noticia/7758535/operadora-de-turismo-fundada-por-guilherme-paulus-adquire-duas-empresas-argentinas-do-setor-

Como tornar um empreendedor social de sucesso

Desenvolva uma solução simples que se origine das próprias pessoas. Faça mais pesquisas. Pergunte à sua comunidade como eles resolveriam o problema. Pegue esta informação e desenvolva uma solução usando um design centrado no ser humano. Teste sua solução no contexto local.

Aplique sua solução para si mesmo e para as pessoas que ajudaram você a projetar seus negócios. Colete feedback e reflexões. Pergunte a si mesmo como você pode torná-lo melhor, mais eficiente. Continue fazendo isso até sentir que atingiu um nível de satisfação de sucesso.

Certifique-se de documentar tudo o que você faz para referência futura.

Mantenha-se nisso (como se manter motivado e perseverar em tempos difíceis). Ser empreendedor é um trabalho árduo. Você sabe disso e nós sabemos disso. Ser capaz de permanecer motivado e acreditar em si mesmo, na sua ideia e nas pessoas ao seu redor, é fundamental. Os empreendedores sabem as estatísticas do fracasso das empresas iniciantes, mas são otimistas e tendem a acreditar em suas próprias chances de sucesso. Para manter essa confiança, aprenda de onde vem sua motivação, reflita sobre fracassos e sucessos para tirar conclusões – e tenha-as à mão quando precisar de estímulo! Cerque-se de pessoas que acreditam em si mesmo e podem ajudá-lo a buscá-lo quando a motivação estiver baixa. Refletir com aqueles que andaram a pé antes de você – mentores, aqueles que te inspiram, e querem que você tome medidas.

Pesquisas mostram que os empreendedores interpretam os contratempos de maneira diferente, classificando-os apenas como temporários. Indivíduos com uma predisposição para o otimismo permanecem mais calmos e mais otimistas em condições de alto estresse, o que leva à persistência. Aprender com os erros. Prepare-se para o fracasso. Um cérebro que não espera bons resultados carece de um sinal dizendo que “tome nota – resposta errada”: esses cérebros não conseguirão aprender com seus erros e terão menor probabilidade de melhorar com o tempo. Construa redes sociais. As redes sociais aumentam o otimismo porque os maiores recursos sociais aumentam as expectativas positivas.

Por fim, o otimismo pode se tornar uma profecia auto-realizável . Os otimistas percebem seus parceiros como fornecendo mais apoio, o que os leva a investir mais esforço na manutenção do relacionamento. O aumento do esforço leva a mais satisfação com o relacionamento de ambos os parceiros.

Liderando uma cultura empreendedora

Como os líderes empresariais se esforçam para aumentar a competitividade, a criação de uma cultura empreendedora tornou-se uma vantagem importante. No atual ambiente de negócios, o termo empreendedor passou a significar mais do que apenas notícias sobre a perspicácia comercial necessária para transformar uma ideia em uma empresa. Hoje, “empreendedor” descreve uma habilidade e mentalidade caracterizada pela inovação, criatividade, risco calculado e uma equipe capacitada. O termo se aplica a indivíduos, equipes e culturas organizacionais inteiras. Uma cultura empreendedora é o que muitas empresas esperam. Certamente, na indústria de tecnologia competitiva e ágil, uma cultura empreendedora é o que a maioria das organizações deve se esforçar. Como você promove essa cultura e a faz prosperar? Como descrevemos em um post anterior, uma cultura organizacional não cresce sozinha. Deve ser nutrido. A cultura de uma organização deve ser cultivada deliberadamente por meio de ação conjunta, incluindo modelagem, estrutura, comunicação constante e reforço positivo.

Como com a maioria das soluções de negócios, o ponto de partida é a liderança. As pessoas aceitam a sugestão de seus líderes. Seus valores, prioridades e ações são guiados pelo que seus superiores modelam. Parece simples, mas é verdade. Os executivos seniores definem o tom do que a empresa deve estar fazendo, quais devem ser os valores organizacionais e como as pessoas devem agir. Do ponto de vista de um líder de negócios, esse é o ponto de partida para impulsionar uma cultura empreendedora – adotá-la e modelá-la. Fale sobre isso, recompense e encoraje. Lembre-se de que a liderança eficaz é um equilíbrio delicado. Um ambiente de trabalho excessivamente autoritário desencoraja as pessoas a usar sua própria iniciativa e sufoca as características que melhoram a inovação e a produtividade. Um ambiente excessivamente democrático não tem foco para manter a empresa em direção aos seus objetivos.

Crie um ambiente de empoderamento. Uma grande parte da condução de uma cultura empreendedora é criar o ambiente em que as pessoas podem agir como empreendedores. Não estamos dizendo empoderar as pessoas. Estamos dizendo fomentar o ambiente onde as pessoas se capacitam. Para agir de forma empreendedora, as pessoas devem se sentir capacitadas para assumir a liderança e criar mudanças positivas.

FGV/IBRE aponta alta no preço do material escolar em 2019 e diz como economizar

O preço dos produtos são reajustados ano após ano, sendo o material escolar um dos mais preocupantes no início de cada ano. Em 2018, o acumulado do preço do material escolar encerrou o ano abaixo da inflação, de acordo com um levantamento realizado pelo FGV/IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas).

A oscilação do preço do material escolar no período que vai de janeiro a dezembro de 2018, também encerrou o ano abaixo do IPC-S (Índice de Preços do Consumidor), com 4,32% de recuo. Esse é um dos índices medidos pela FGV/IBRE em 2018 e divulgados através de notícias no início deste ano.

Um estudo realizado pelo economista André Braz, economista do IBRE, apontou diversos produtos e serviços ligados diretamente às atividades escolares. Esses produtos tiveram uma alta considerável em 2018. Um dos grandes vilões foi o “transporte escolar”, que teve alta de 5,19% no ano passado.

Os materiais didáticos tiveram alta de preço de 0,50% no ano passado, seguidos por uma alta de 0,46% em materiais não didáticos, como livros literários e outros materiais utilizados para consulta em sala de aula.

De acordo com a FGV, é importante que as famílias façam muita pesquisa de preço antes de realizarem a compra do material escolar este ano. Desta forma é possível encontrar preços de produtos melhores em comparação com outros estabelecimentos dentro de cada município ou em outras cidades próximas. “Ao decorrer do mês de janeiro de 2019, o material escolar de um modo geral irá sofrer variação diante da procura em larga escala”, diz Braz.

Analisar com calma cada item da lista de material lançada pela escola, antecipar a compra dos produtos e pesquisar bastante o preço em cada loja, são dicas importantes dadas por Braz e outros economistas experientes.

Outro índice que mede a inflação ligada às famílias brasileiras é o IPC-C1 (Índice de Preços ao Consumidor da Classe 1). Esse índice monitora as famílias com rendimentos entre 1 e 2,5 salários mínimos. O IPC-C1 de dezembro do ano passado apresentou uma variação de 0,32%, de acordo com o FGV.

Guilherme Paulus, o “Empreendedor do Ano”, lançará novo hotel em São Paulo

O empresário Guilherme Paulus, presidente da GJP Hotels & Resorts, inaugurará um novo hotel butique na cidade de São Paulo, no mesmo local em que funcionava a antiga agência publicitária DPZ, no bairro Cidade Jardins. O hotel, que tem previsão de entrega para 2021, contará com 65 apartamentos, rooftop, espaço de eventos e restaurante. Com isso, Paulus terá mais uma obra luxuosa para sua coleção, muita admirada pelos seus milhares de clientes. Dessa forma, são mais de R$ 600 milhões de reais investidos no grupo GJP, demonstrando que o mesmo acredita no turismo e no hábito do brasileiro de viajar, mesmo em tempos de crise financeira.

O sucesso da trajetória de Guilherme Paulus começou em 1972, quando conseguiu transformar a CVC numa das maiores operadoras de turismo da América Latina. No segundo semestre de 2018, foi convidado pela ADVB/RS para falar mais sobre sua experiência e liderança na palestra “Empreendedorismo”, realizada na terceira edição do “Você com o Presidente”. O evento ofereceu muito conteúdo importante a todos os associados e convidados presentes, e teve as participações do presidente da ADVB, Telmo Costa, da LIDE SUL, Gustavo Ene e o consultor e VP da ADVB/RS, Arthur Bender.

A participação de Guilherme Paulus foi fundamental para o evento, pois só no ano de 2017 a CVC faturou cerca de R$ 3 bilhões de reais, transportando mais de 2,5 milhões de pessoas em viagens nacionais e internacionais, totalizando mais de 100 destinos. A operadora está presente em mais de 400 shoppings do país e 140 hipermercados e galerias comerciais. Não é à toa que o empresário foi eleito o “Empreendedor do Ano 2017” na categoria de serviços, graças ao seu excelente e reconhecido trabalho no segmento de turismo no Brasil.

E não é somente na área de hotelaria e turismo que o empresário construiu sua carreira. Guilherme Paulus já foi dono da antiga companhia aérea Webjet (comprada em 2006), participando então do setor de aviação. A Webjet tornou-se a terceira maior companhia do Brasil, com trajetos em mais de 20 cidades brasileiras. Contudo, em 2011, o empresário vendeu a Webjet para a GOL por R$ 70 milhões de reais. Outros investimentos de Paulus foram: a B2W Viagens, da Submarino Viagens, a Rextur Advance, a Trend, a Visual Turismo e o Experimento Intercâmbio. A expectativa é movimentar aproximadamente R$ 10 bilhões de reais por ano e transportar mais de 9 milhões de pessoas.

Na atualidade, Guilherme Paulus se dedica exclusivamente a GJP Hotels & Resorts, considerada uma das maiores redes de hotéis do país, com 20 unidades e mais de 2 mil empregados. Vale ressaltar que todos os funcionários recebem treinamento adequado para atender os mais de 92 mil clientes que a rede já hospedou durante sua operação. O grupo GJP Hotels & Resorts é referência em obras luxuosas, a destacar os hotéis 5 estrelas localizados na Serra Gaúcha, como o Saint Andrews Gramado e Wish Serrano Resort. Além disso, o grupo trabalha com outras duas bandeiras, a Linx (3 estrelas) e a Prodigy (4 estrelas).

Traços de personalidade que todos os empresários devem ter

Os empreendedores que seguem sua paixão são bem-sucedidos com muito mais frequência do que os empreendedores que estão nela pelo dinheiro.

O sucesso não é definido por quão bem você fez na escola ou quantos graus você tem. Não é baseado em onde você cresceu ou quem são seus pais. Tudo se resume à sua personalidade, sua mentalidade e sua visão da vida.

Ao contrário da crença popular, você não precisa ser uma pessoa do tipo A para ser um empreendedor de sucesso. Na verdade, provavelmente é melhor se você não for. Empreendedores tendem a ser mais “espertos nas ruas” do que “inteligentes em livros”.

De acordo com um estudo recente da CPP Inc. , os dois principais traços de personalidade que os empreendedores possuem são percepção e intuição. Isto é porque o sucesso não vem para aqueles que são mais inteligentes. O sucesso vem para aqueles que vêem oportunidades e os aceitam.

Acha que pode ter o que é preciso para ser um empreendedor? Aqui estão cinco outros traços de personalidade que os empreendedores devem ter:

Paixão. Os empresários não estão nisso pelo dinheiro. Embora isso possa ser um bônus adicional, o verdadeiro benefício é fazer o que eles amam. Construir um negócio exige muito tempo e esforço. Isso significa colocar mais horas e fazer um trabalho extra. Se você não ama o que faz, não vai querer fazer o que for preciso para alcançar o sucesso.

Os empreendedores não têm medo do trabalho duro porque são tão focados no seu sonho e visão. Eles não desistem quando surge um desafio. Eles se apegam à sua paixão e a veem. Como Steve Jobs disse uma vez, de acordo com a Smithsonian Institution , “estou convencido de que cerca de metade do que separa os empreendedores de sucesso dos não bem-sucedidos é pura perseverança”.

Motivação. Os empresários são dedicados ao seu trabalho, a mover a economia. Eles não dependem de um gerente ou colega para empurrá-los em direção aos seus objetivos ou realizar seu trabalho. Seu impulso vem de dentro e permite que eles motivem os outros.

Em seu livro, “Líderes comem por último: Por que algumas equipes se unem e outras não”, o palestrante motivacional Simon Sinek escreve: Se suas ações inspiram os outros a sonhar mais, aprender mais, fazer mais e se tornar mais, você é um líder .

Empreendedorismo social

O empreendedorismo social tem tudo a ver com reconhecer os problemas sociais e alcançar uma mudança social, empregando princípios, processos e operações empresariais . É tudo sobre como fazer uma pesquisa para definir completamente um problema social específico e, em seguida, organizar, criar e gerenciar um empreendimento social para alcançar a mudança desejada. A mudança pode ou não incluir uma eliminação completa de um problema social. Pode ser um processo vitalício focado na melhoria das circunstâncias existentes.

Enquanto um empreendedorismo empresarial geral e comum significa assumir a liderança para abrir um novo negócio ou diversificar os negócios existentes, o empreendedorismo social se concentra principalmente na criação de capital social sem medir o desempenho no lucro ou o retorno em termos monetários. Os empresários neste campo estão associados a setores e organizações sem fins lucrativos. Mas isso não elimina a necessidade de obter lucro. Afinal, os empresários precisam de capital para continuar com o processo e trazer uma mudança positiva na sociedade.

Juntamente com os problemas sociais, o empreendedorismo social também se concentra em problemas ambientais. Fundações dos Direitos da Criança, plantas para tratamento de resíduos e fundações de empoderamento das mulheres são poucos exemplos de empreendimentos sociais. Os empreendedores sociais podem ser aqueles indivíduos que estão associados a organizações sem fins lucrativos e não governamentais que captam fundos por meio de eventos e atividades da comunidade .

No mundo moderno, existem vários empreendedores sociais bem conhecidos que contribuíram muito para a sociedade. O fundador e gerente do Banco Grameen, Muhammad Yunus é um empreendedor social contemporâneo que recebeu o Prêmio Nobel da Paz por seu empreendimento no ano de 2006. O empreendimento vem crescendo continuamente e beneficiando uma grande parte da sociedade.

A George Foundation é mais uma empresa social reconhecida nacionalmente. O Programa de Empoderamento das Mulheres cria conscientização entre as mulheres, fornecendo-lhes educação, treinamento vocacional, agricultura cooperativa, desenvolvimento de negócios e planejamento de poupança. Ao empregar os princípios do empreendedorismo social, essas organizações estão enfrentando os problemas sociais e trazendo uma mudança positiva na sociedade.

Existem notícias de outras organizações que são consideradas como agentes de mudança positivos na sociedade. Ecoando Verde , O Empreendedorismo Social Fundação Canadense, Fundação Schwab para o Empreendedorismo Social , a Fundação Skoll, NIKA Water Company, de Newman própria e Ashoka: Innovators para o público são de tal organização que apontar para trazer a mudança social e continuamente melhorar as condições existentes na sociedade .

Você quer empreender? Descubra alguns mitos e percalços do mundo dos negócios

Uma vida empreendedora está cercada de mitos, romantizada pela mídia e pelos filmes de Hollywood. Entretanto, o mundo dos negócios não é só feito de glamour e dinheiro, existem percalços que todo iniciante precisa conhecer. Esse texto tem como objetivo mostrar quais são esses percalços, para que você possa iniciar nesse ambiente com um pouco mais de segurança.

Empreender não é um talento nato como muitos dizem por aí, é possível sim aprender a empreender. Para fazer isso, você deverá estudar como os grandes empreendedores construíram as suas empresas. Dessa forma, leia livros de especialistas em empreendimentos, ou seja, pessoas que já conquistaram aquilo que você quer conquistar. Além de aumentar a sua motivação, essa prática fornecerá dicas valiosas para a sua empreitada.

O empreendedorismo não traz felicidade. A felicidade é um elemento abstrato que dificilmente pode ser medido, além de variar de pessoa para pessoa. Afirmar que o empreendedorismo tem o poder de fazer alguém feliz é um equívoco. Ser um empreendedor é muito desafiador, e esses desafios podem desanimar até o indivíduo mais otimista. Dessa forma, é preciso ter essa noção, não existe uma receita para a felicidade e, no mundo do empreendedorismo, isso não é uma exceção. Se aventurar no mundo dos negócios pode ser muito gratificante, porém, está longe de ser um verdadeiro paraíso.

Há quem opte empreender para fugir do chefe, com a esperança de fazer tudo aquilo que lhe vier a cabeça. No entanto, o que realmente acontece é que a figura do chefe é substituída pela do cliente, nesse sentido, todos os seus clientes passam a ser “chefes” da sua empresa. A vida de um empreendedor não é fácil, você precisará lidar com dezenas de clientes insatisfeitos todos os dias. Então, não escolha empreender para se livrar de um chefe.

Em resumo, a vida de um empreendedor não é só glamour, fama e dinheiro. Aliás, não escolha empreender apenas para ganhar dinheiro, escolha abrir um negócio para resolver as dores de um determinado público-alvo. Dessa forma, você terá sucesso em todos os seus empreendimentos. Esse texto teve o objetivo de apresentar ao futuro empreendedor alguns percalços do mundo dos negócios.